q6prmv.md.png
quinta-feira, maio 6, 2021
q6prmv.md.png
InícioAssuntos VariadosAs cias aéreas brasileiras e a questão da bagagem

As cias aéreas brasileiras e a questão da bagagem

Há 16 meses atrás, a Resolução 400 da ANAC entrou em vigor com a promessa na diminuição do valor das passagens aéreas em troca da cobrança da bagagem despachada, até então gratuita.

Desde então, além de não termos qualquer alívio nos preços dos bilhetes – na realidade, algumas reportagens afirmam que o preço das passagens subiu – as empresas aéreas começaram a cobrar por serviços que eram gratuitos como, por exemplo, a marcação de assentos.

A Resolução garante a gratuidade da bagagem de mão, que pode pesar, no máximo, 10 quilos. Apesar da aparente clareza da norma, cabe a cada empresa determinar o tamanho máximo da mala.  A GOL, por exemplo, é a mais generosa das empresas, admitindo dimensões máximas de 40 x 25 x 55 cm. Já a LATAM, Azul e a Avianca aceitam malas com, no máximo, 35 x 25 x 55 cm.

Além disso, o preço das bagagens despachadas também é variado. Para voos domésticos, a Azul cobra R$ 60,00 pela 1a mala pelo site/app/call center e R$ 80,00 na hora do embarque. A Avianca cobra R$ 40,00 até 6 horas antes do check-in e R$ 80,00 a partir de 6 horas até o fechamento do check-in. A GOL cobra R$ 50,00 nos canais digitais e R$ 100,00 no check-in. Mas é importante ressaltar que, dependendo do perfil de tarifa e do status do passageiro no programa de milhas, as empresas podem até liberar o despacho de um ou dois volumes de 23kg.

A LATAM, por sua vez, não disponibiliza mais a informação no site! Para saber o custo, é necessário informar o código da reserva. Entretanto, ontem foi divulgado nos grupos de whatsapp uma suposta nova tabela de preços de bagagens da LATAM a entrar em vigor a partir de hoje (quem tiver ou fizer reserva em voo doméstico, por favor coloque nos comentários se essa informação é verdadeira ou não):

Em sendo verdade, a LATAM poderá cobrar R$ 110,00 pela 1a mala dos passageiros no check-in – o valor mais alto das empresas brasileiras. Até então, essa mesma mala custava R$ 80,00 para ser despachada, o que significa um aumento de quase 40% sem qualquer aviso prévio aos passageiros.

O fato é que esses valores podem significar uma porcentagem considerável do preço do bilhete, como é o caso abaixo da Passaredo, em que a peça de bagagem custa mais de 50% do preço da passagem (agradeço a dica do Rondon):

No caso acima, é mais vantajoso comprar na tarifa básica, que já inclui uma peça no valor cobrado.

Como não há como voltar atrás nessa cobrança, apesar de a promessa de barateamento do preço da passagem não ter sido cumprida, eu acho que deveria haver uma padronização mínima para evitar abusos e teratologias.

Em primeiro lugar, todas as empresas deveriam ser obrigadas a divulgar os preços praticados. A bem da verdade, todas divulgam, exceto a LATAM. Aliás, fiquei surpresa de descobrir que essa informação está sendo ocultada do público em geral – não sei se propositalmente ou se é uma falha do departamento de TI.

Em segundo lugar, deveria ser estipulada uma porcentagem máxima de cobrança de acordo com o preço da passagem para evitar que a 1a bagagem custe 50, 60, 70% do valor do bilhete.

Em terceiro lugar, o aumento do valor das bagagens despachadas deveria ser amplamente divulgado com, pelo menos, 30 dias de antecedência. Não é admissível o passageiro ser surpreendido com um aumento no balcão de check-in.

Enfim, o que vocês estão achando da cobrança? Alguma sugestão para as companhias aéreas?

 

RELATED ARTICLES

30 COMENTÁRIOS

  1. Beatriz, a Resolução 400 da ANAC está sacramentada de fato? Lembro que tinha algum senador tentando reverter isso, não me recordo agora quem era, mas se esse assunto não está mais em evidência na mídia, deve ter “morrido”…. 😔

    • Neto, existe o Projeto de Decreto Legislativo (578/16), de autoria de Humberto Costa (PT-PE), que predendia barrar as mudanças da ANAC. Esse projeto, ao sair do Senado e chegar na Câmara dos Deputados , foi barrado pelo presidente da casa Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia disse, naquele momento, que “deviam esperar pra ver o efeito das mudanças”. De lá pra cá o projeto está convenientemente parado e esquecido na Câmara.

  2. Beatriz, mais uma vez, parabéns pelo texto: claro, crítico e objetivo.

    Sobre a cobrança, sempre digo que um dos problemas do Brasil é o capitalismo de estado. As agências reguladoras, que deveriam zelar pela qualidade do serviço e pela manutenção da livre concorrência, têm agido sempre em favor das empresas (vide planos de saúde), num movimento de Robin Hood ao contrário.

    É inegável que a Resolução da ANAC prejudicou os consumidores, sem qualquer contraprestação das empresas. No mesmo sentido, a “indústria do mero aborrecimento” instalada no Judiciário impede que as companhias sejam responsabilizadas pelas suas falhas.

    Assim seguimos, contando unicamente com vozes como a sua para denunciar nosso absurdo cotidiano.

  3. Beatriz, a Resolução 400 da ANAC está sacramentada de fato? Lembro que tinha algum senador tentando reverter isso, não me recordo agora quem era, mas se esse assunto não está mais em evidência na mídia, deve ter “morrido”…. 😔

    • A propósito, depois dos últimos acontecimentos sobre a LATAM na mídia, essa passou a ser minha última opção, até mesmo ir de ônibus está a frente…..

    • Neto, existe o Projeto de Decreto Legislativo (578/16), de autoria de Humberto Costa (PT-PE), que predendia barrar as mudanças da ANAC. Esse projeto, ao sair do Senado e chegar na Câmara dos Deputados , foi barrado pelo presidente da casa Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia disse, naquele momento, que “deviam esperar pra ver o efeito das mudanças”. De lá pra cá o projeto está convenientemente parado e esquecido na Câmara.

  4. Beatriz, mais uma vez, parabéns pelo texto: claro, crítico e objetivo.

    Sobre a cobrança, sempre digo que um dos problemas do Brasil é o capitalismo de estado. As agências reguladoras, que deveriam zelar pela qualidade do serviço e pela manutenção da livre concorrência, têm agido sempre em favor das empresas (vide planos de saúde), num movimento de Robin Hood ao contrário.

    É inegável que a Resolução da ANAC prejudicou os consumidores, sem qualquer contraprestação das empresas. No mesmo sentido, a “indústria do mero aborrecimento” instalada no Judiciário impede que as companhias sejam responsabilizadas pelas suas falhas.

    Assim seguimos, contando unicamente com vozes como a sua para denunciar nosso absurdo cotidiano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Most Popular

Recent Comments

Viajante Pobretão Jr. on Tóquio estuda novo estado de emergência
Paulo André Metchko on Itaucard Pão de Açúcar Platinum
Felipe Oliveira Silva on Itaucard Pão de Açúcar Platinum
disqus_OagBp1mexo on O Santander não se emenda …
Beatriz Roland on O Santander não se emenda …
Beatriz Roland on O Santander não se emenda …
Beatriz Roland on O Santander não se emenda …
Emanuel Soares on O Santander não se emenda …
Beatriz Roland on O Santander não se emenda …
Beatriz Roland on O Santander não se emenda …
Mário Sérgio Oliveira on O Santander não se emenda …
Adalberto Moscal on O Santander não se emenda …
Robson Pereira on O Santander não se emenda …
lissandro dauer on O Santander não se emenda …
Mário Sérgio Oliveira on O Santander não se emenda …
ronald william on O Santander não se emenda …
Evandro Sperandio on O Santander não se emenda …
Thiago Soares Correia on O Santander não se emenda …
Gilberto Carmona on O Santander não se emenda …
Henrique P. P. on O Santander não se emenda …
Cinthia Rangel on O Santander não se emenda …
Raimundo Almeida Júnior on A Avianca é a nova parceira Smiles?
luiz paulo alencar on As Viagens Inusitadas da Minha Vida
Afonso De Oliveira Barros on As Viagens Inusitadas da Minha Vida
Quero Viajar na Faixa on As Viagens Inusitadas da Minha Vida
Raimundo Almeida Júnior on Accor amplia o portfólio de hotéis do grupo
Raimundo Almeida Júnior on Smiles: Viaje Fácil com 75% de desconto
Deyvisson F. R. Almeida on Como a COVID-19 afetou suas viagens?
Raimundo Almeida Júnior on Como a COVID-19 afetou suas viagens?
Raimundo Almeida Júnior on Como a COVID-19 afetou suas viagens?
Guilherme Marchese on Como a COVID-19 afetou suas viagens?
Guilherme Marchese on Como a COVID-19 afetou suas viagens?
Deyvisson F. R. Almeida on Como a COVID-19 afetou suas viagens?
Deyvisson F. R. Almeida on Como a COVID-19 afetou suas viagens?
Raimundo Almeida Júnior on Qatar Airways sem primeira classe até 2021
Raimundo Almeida Júnior on Qatar Airways sem primeira classe até 2021
Marry manuelli paes de farias on Reserva Cool orienta clientes a pedir chargeback
Vanessa de Carvalho Dias on Como a pandemia afetou minhas viagens
Vanessa de Carvalho Dias on Como a pandemia afetou minhas viagens
Deyvisson F. R. Almeida on Como a pandemia afetou minhas viagens
Paulo André Metchko on Itaucard Pão de Açúcar Platinum
Tiago Luiz Martins S Costa on Reserva Cool orienta clientes a pedir chargeback
Luiz Henrique Moraes Barros Ca on Problemas com os cartões Santander AAdvantage
Leonardo Tito Preza Figueiró on Problemas com os cartões Santander AAdvantage
Leandro Esteves on E agora, clientes LATAM Pass?
Ronaldo Azevedo on E agora, clientes LATAM Pass?
Ronaldo Azevedo on E agora, clientes LATAM Pass?
Rodrigo Guimaraes on E agora, clientes LATAM Pass?
Luis Ghivelder on E agora, clientes LATAM Pass?
Rodolfo França on E agora, clientes LATAM Pass?
André Ferreira on E agora, clientes LATAM Pass?
Gustavo Botelho on E agora, clientes LATAM Pass?
Gustavo Botelho on E agora, clientes LATAM Pass?
Beatriz Roland on E agora, clientes LATAM Pass?
Renan Augusto Arboleda on E agora, clientes LATAM Pass?
Raimundo Almeida Júnior on Smiles: 70% de desconto na compra de milhas
Denilson Vargas Lima Junior on Os recentes erros de pesquisa no site do Smiles
Thiago Soares Correia on LATAM Pass atualiza o seu programa
Mauricio Laukenickas on LATAM Pass atualiza o seu programa
Leonardo Tito Preza Figueiró on Itaucard Pão de Açúcar Platinum
Antagonista Caratinguense on Itaucard Pão de Açúcar Platinum
Renan Augusto Arboleda on Itaucard Pão de Açúcar Platinum
Antonio Carlos Oliveira Junior on GOL: um voo diferente na ponte aérea
Renan Augusto Arboleda on GOL: um voo diferente na ponte aérea
Eduardo Caldeira Meira on GOL: um voo diferente na ponte aérea
Ricardo Baccarelli Carvalho on GOL oferece milhas bônus em atraso de voo
Esron Anibal Freitas da Rosa on O programa Accor Live Limitless está no ar
Esron Anibal Freitas da Rosa on O programa Accor Live Limitless está no ar