q6prmv.md.png
quinta-feira, julho 29, 2021
q6prmv.md.png

Os Melhores Resgates do LATAM Fidelidade

Autor

Categorias

Compartilhar

Esse é o primeiro post da série os Melhores Resgates dos Programas de Milhagem  mais Populares do Brasil, em que faço uma análise do melhor custo-benefício no resgate de milhas (para ler os outros posts desta série, clique aqui). Lembrando que dentre os fatores que me levam a considerar um resgate como bom são: o tempo de voo, a classe de voo, a companhia aérea que efetua o voo e as salas VIP que poderão ser acessadas em caso de viagem em cabine premium. Para saber mais, clique aqui.

O Fidelidade possui duas tabelas de resgate: um para voos LATAM e outra para as parceiras da Oneworld.

Voos LATAM

A tabela de resgate da LATAM apresenta o mínimo e o máximo de pontos para a emissão de bilhetes de acordo com a categoria do cliente. Clientes Platinum, Black e Black Signature conseguem resgatar com menos pontos do que os clientes LATAM e Gold.

Na econômica, a melhor relação custo-benefício é para a África e para os EUA, com 30.000 o trecho. Não há distinção para clientes com status diferentes. A viagem até Johannesbourg leva cerca de 9 hrs e para o os EUA, entre 8 e 9h30mins dependendo do destino (Miami ou NY).

Voos LATAM 
Econômica: África e América do Norte por 30.000 pontos o trecho
Executiva: África por 60.000 pontos o trecho

Voos Oneworld

Entretanto, os melhores resgates da LATAM são com as parceiras. Além de não haver diferença entre clientes elite, a tabela é mais benéfica para os passageiros.

Na classe econômica com as parceiras, são necessários 25.000 pontos para emitir um trecho para África do Sul, 5.000 a menos do que na própria LATAM.

Na classe executiva, 110.000 pontos para ir para a Ásia Oriental ou para a Oceania é uma excelente oportunidade. Eu consegui Hong-Kong-Londres-Madri-São Paulo por 110.000 pontos voando na executiva da  Cathay Pacific e Iberia. Um leitor conseguiu São Paulo – Sydney com a British e Cathay Pacific.

Uma outra boa utilização dos pontos é ir da Europa para o Oriente Médio por 45.000 pontos. A depender da disponibilidade, é possível ir de Londres ou Paris para Doha na classe executiva do A380 da Qatar (a Qantas também faz Londres – Dubai no A380). Infelizmente, o Fidelidade não emite bilhetes com classes diferentes. Isso tem impacto direto nos voos em conexão a partir de Doha: os voos da Qatar intra-Golfo em cabine premium são considerados 1a classe, o que torna impossível a emissão Londres – Doha – Dubai ou Muscat, Abu Dhabi etc  em executiva.

Na primeira classe, o melhor custo benefício é, mais uma vez, o trecho Oriente Médio – Europa por 65.000 pontos. Na verdade, os únicos trechos com primeira classe são Paris/Londres – Doha, com o A380 da Qatar, e Dubai – Londres com o A380 da Qantas. Indo do Oriente Médio para a Europa, o passageiro pode desfrutar da sala VIP Al Mourjan em Doha, ou o lounge da primeira classe da Emirates em Dubai, usado pela Qantas.

Também não podemos desconsiderar os 140.000 pontos entre Brasil e Ásia Oriental. Na verdade, cada trecho em primeira classe sai a 70.000 pontos (Brasil – Europa e Europa – Ásia), o que é um ótimo negócio. Os trechos são servidos pela British Airways, cuja reputação não está em alta, mas temos a Cathay e a Japan Airlines, que estão entre as melhores do mundo. Não podemos esquecer que, se o voo em primeira classe é da Cathay, o ideal é que ele saia de Hong Kong para a Europa, a fim de aproveitar o incrível The Pier, considerado um dos melhores lounges de primeira classe do mundo.

Voos Oneworld
Econômica: Brasil - África do Sul por 25.000 milhas
Executiva: Brasil - Ásia Oriental e Oceania por 110.000 milhas e Europa - Oriente Médio por 45.000 milhas.
Primeira: Oriente Médio - Europa por 65.000 pontos e Brasil - Ásia Oriental por 140.000 pontos.

Autor

Compartilhar